quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

O HÍMEN, A PRISÃO

IMPLICITO NO OLHAR,
O DESEJO E A PAIXÃO,
FAZIAM DA DONZELA
FOGO, MAS NO CORPO, UMA PRISÃO...

NADA A FAZER
QUERIA MESMO ERA PODER...
REALIZANDO O QUE SEU CORPO PEDIA,
O SEU AMADO, ERA O QUE MAIS QUERIA...

O ROMANTISMO DAQUELA ÉPOCA,
NÃO DAVA ASAS À SUA SEDUÇÃO
TERIA QUE ESPERAR PELO CASAMENTO,
ERA TRISTE ESSA DEDUÇÃO...

MAS O DESEJO, LHE COBRIA OS POROS!
RESPIRAVA PAIXÃO...
QUERIA ARDENTEMENTE
SER DESVIRGINADA
LOUCA ESTAVA, POR ESSA SENSAÇÃO!

A VIRGEM, LIBERTA DO HIMEN,
QUE TANTO LHE APRISIONAVA,
NUM CORPO QUE PELO PRAZER, CLAMAVA!

SEU AMADO TERIA DE LHE LEVAR DALI...
EM ALGUM LUGAR,
A FARIA SORRIR...
O SORRISO LARGO, DA SATISFAÇÃO!
QUE ENTRE GEMIDOS, A LIBERTAVA DESSA PRISÃO...

FÁTIMA ABREU

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Só pra você ficar sabendo...

É muita sorte sua estar longe... A distância limita-me, impede-me de tocá-la.
Mesmo assim, minha alma te sente... Afaga-te... Alma gêmea, mãos dadas...
No bailar de nosso tempo, você diva, minha diva, és puro encantamento.
Quanta generosidade divina ao conceber essa criatura repleta de luz e magia...

Linda como o poente, tênue, doce. Necessariamente cativante...
Contudo não és fugaz, traz em si a beleza das ninfas e grandeza das sacerdotisas.
Não é vaso vazio que em nada nos acrescenta, sacia minha sede com sua sapiência...
Que vontade de te apertar bem forte... Cheirar teu cangote e sussurrar em teu ouvido:

Inebriado com tua fragrância, bailando lento uma dança... “De amor por ti estou perdido”...

Marcelo Reis, inverno 2010.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Amar é...

Quando Deus inventou o amor ele quis dar ao homem um presente... Mas o homem não enxergou que amar significa antes de qualquer coisa, dar de si próprio antes de querer algo para si mesmo. Por isso geralmente o amor trás tanta tristeza em vez de trazer alegria. Para nós não é fácil entender o significado dessa dádiva divina meramente denominada por nós “amor”... Doar-se é amar e amar outrem é amar-se. Ame.

Marcelo Reis, inverno 2010.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Coletânea...

Lágrimas

Lágrimas são sementes de “esperança”
Plante-as em solo fértil com sua dor
Regue com soluços de lamento
Cultive com o arrependimento...

Esse penar parece ser infinito
Que pesar aflige essa pobre alma...
Sofrimento por amor ou por saudade?
Não importa! Lágrimas são lágrimas...

A lágrima lava o espelho da alma
A lágrima traz a luz o oculto...
A lágrima pede consolo, carinho e perdão,
A lágrima é adaga fincada no coração

Quem não tem suas lágrimas?
Suas cicatrizes e feridas...
Suas esperanças, sonhos e fantasias...
Resta-me desejar que nenhuma lágrima seja em vão.

Marcelo Reis, outono de 2009.




CREIA!

CREIA, pois quando você crê uma colher torna-se uma pá...
CREIA em sua capacidade e nada impedirá seu êxito.
CREIA no poder das palavras e cure almas enfermas...
CREIA no amor e assim viverá o amor e será o próprio amor.

Crendo você se libertara da prisão da depressão e do pânico,
Crendo você vencerá as barreiras que te separam do sucesso,
Crendo você será sempre bem recebido por onde andar,
Crendo você será verdadeiramente amado.

Você crê? Crê que existe algo maior regendo o céu a terra e o mar...
As estrelas, as constelações e as galáxias? Você crê que uma energia inimaginável conduz tudo existente a um destino? Se você consegue crer em algo intocável e invisível pode muito bem acreditar em você mesmo ou não?

Lembre-se que a luz só é luz por que existe a escuridão...
A ordem nasceu necessariamente do total caos...
Após uma tormenta chegara sempre, a calmaria...
Nós também passamos por esse processo evolutivo, devemos ter paciência.

CREIA!

Marcelo Reis, outono 2009.





Nossos caminhos...

Um dia a menos ou um dia a mais? A escolha você que faz.
Viver será morrer aos poucos ou o final da jornada será descanso?
O covarde pode viver mais tempo que o valente, mas com que glória?
Não há garantia para algo que ainda não existe... Fictício futuro!

Ninguém é rico o suficiente se não poder compartilhar suas conquistas.
Ensinam a nós que existir é pecado... Nossos pensamentos são impuros.
Utilizamos de máscaras para sobreviver, não temos outra saída...
Enquanto essa chama arder dentro do peito haverá esperança.
Quando o sol nasce no horizonte, faz um convite para o recomeço...
Mas “recomeços” são sempre demonstrações de nossa incompetência.
É como aquele que vive a desculpar-se... Desculpe aqui, desculpe ali...
Uma hora ninguém mais aceita. A melhor desculpa e não cometer o erro.

A verdadeira beleza é aquela que vem de dentro, mas poucos enxergam...
É tão fácil ser fútil, entregar-se a esse oceano de banalidades do nosso tempo.
Vulgarizamos os sentimentos, sentidos e cultuamos o consumismo.
Que perversidade fazemos com nossos espíritos, somos menos rosas e mais espinhos.

Marcelo Reis, inverno 2009.




Destroços de mim mesmo

Vi uma flor nascer da escaldante pavimentação viária, persistente flor.
Não é fácil viver com a cabeça inchada exalando idéias... Sempre fértil.
Pensamentos, cacos de vidro... Sonhos perdidos. Amor que morreu.
Esperança, esperança... Esperança. Eterna criança em mim se perdeu.

Olhares, sorrisos... Gestos, intenções... Quereres, ilusões... Sentidos.
Lugares, fragrâncias... Sabores, beijos... Abraços, carinhos... Dores.
Lágrimas regaram meu jardim a vida inteira. Sempre espinhos, sempre...
Queria um banho na cachoeira para refrescar a febre que arde na minha alma.
O mar me chama, clama por mim. Quer meu calor, meu furor, tudo em fim.
O céu me namora, manda presentes. Faz-se inocente, depois ri de mim.
A lua me agarra, faceira na cama. Com um olhar de quem ama, me faz feliz.
O sol com ciúmes, lançou sua fúria. Apenas fagulhas puderam me alcançar.

Apesar dessas penas, dessas perdas, desses dissabores, desses percalços...
Passeio pela vida rindo de tudo, na minha cara sempre estampado um sorriso largo.
Há quem não compreenda essa insanidade, sem cara metade, sem Morfeu.
Eu me banhei no rio Jordão, eu lavei o meu espírito, meu perdão se faz remido.

Marcelo Reis, inverno 2009.




Liberte, egualitè, fraternitè

Uns elogiam, outros criticam... Uns apoiam, outros desprezam...
Há quem acredite e quem duvide... Ainda há aqueles descrentes...
Muitos aplaudem, ovacionam... Outros atiram tomates e ovos!
O que importa na verdade é a vontade da maioria. Assim seja... Viva a democracia!

Marcelo Reis, inverno 2009.





O brilho da Lua

Que enorme peso levo em meu coração,
Uma dor impossível de cura, uma paixão, uma loucura...
E nesta noite a lua é testemunha.
Tiro-lhe as vestes e ela agora está nua...
Cai sobre mim teu véu e minha alma flutua,
Tão distante que esqueço a procura.
Por fim eu liberto, imploro tua ajuda.

Marcelo Reis, inverno de 1999.





A PAZ está dentro de nós

A paz não está em um “cessar fogo”...
A paz não se encontra em uma “rendição”...
A paz não se esconde em uma assinatura de “não agressão mútua”...
A tão sonhada paz tão pouco está firmada em “tratados” e “apertos de mãos históricos”...
A PAZ está guardada em um cofre chamado tolerância... O segredo desse cofre está dentro de nossos corações.
Estamos cegos diante a esplendorosa beleza e riqueza da diversidade de nossa espécie.
Nós podemos discordar em nossas posições políticas, culturais, religiosas... Nós podemos nos odiar... Nós podemos nos matar. Mesmo assim continuamos sendo irmãos. Essa bênção divina nenhuma guerra poderá mudar.
Temos um único DEUS, mas muitas bandeiras.

Marcelo Reis, primavera 2008.

Oito linhas

Onde anda a tua poesia?
Não me refiro a essa escrita
Mas aquela contida na vida
Incrustada na alma honesta

Aquela que faz o bruto sorrir
Que torna o fardo suportável
Que induz o sonho ao desesperançado
Poesia de textos incompreensíveis


Marcelo Reis, outono de 2001.

Mãe... Em meu coração nada tem mais significado que a Senhora, que tanto é parte de mim quanto eu mesmo. Cresci com você e vi que a vida poderia ser mais que haviam me ensinado. Através de ti descobri que o amor existe e é necessário, descobri que a maior recompensa é não ser recompensado...
Em tua presença sinto-me honrado, dignificado por ser teu filho... Grato por ter recebido tanto carinho e por sempre estar aquecido por teu amor.
Mãe, te amo. Obrigado.

Marcelo Reis.

Pensando em você

Eu penso em você todo dia
E penso com tanto carinho...
Eu sei que vou te encontrar um dia,
Mesmo que não seja nessa vida.

Aquele abraço não ficará mudo!
Tenho há tempos um beijo guardado para lhe dar.
Um beijo com todo o meu carinho...
Um carinho de pássaro em seu ninho.

Eu penso em você e a saudade me salda,
O tempo não passa... Uma dorzinha formiga meu peito.
E eu lembro das tuas risadas, lembro das dobras no canto dos olhos...
O teu sorriso alegrava a minha alma.

Tenho no espírito tatuado as caldas tardes de maio,
A brisa com fragrância de mato cortado,
O descanso de barulho de chuva no telhado...
O sonho da tua presença estando eu, acordado.

Marcelo Reis, outono 2009.











Doar Vida

Eu vim de tão longe para te trazer
Um pouco da minha vida
Vai viver em você...

Não sou melhor que ninguém
Tão pouco um herói
Apenas creio que só o amor constrói.

Foi bom insistir, valeu esperar...
Você nunca deixou de acreditar

Suas lágrimas secarão
Seu pranto não foi em vão...

Comece a sorrir, a dor vai passar...
A vida ainda tem muito pra te dar.

Marcelo Reis, outono 2009.

Língua de fogo

Foi em um olhar que me calei
Foi em um beijo que me perdi
Foi em um abraço que me amparei
Foi por amar que quase morri...

Passei pela maldição dos mil gritos
Vaguei pela penumbra da desilusão,
Vi meu espírito ser banido
Vi meu coração mergulhado na escuridão...

Ouvi o silencio de todas as palavras humanas
Ouvi o cântico das potestades divinas
O meu sacrifício subiu ao altíssimo
Meu sangue fumegado levou um aroma doce como o mel...

Essa brasa que arde a minha alma
Descende da rama antiga do verbo em carne
Vem de cidades perdidas no tempo
Das línguas mortas, dos deuses falsos.

Marcelo Reis, outono 2009.


IN HOC SIGNO VINCES

Não se turbe o vosso coração, pois teu inimigo já foi jogado por sete caminhos...
Não temas, tua vitória chegará. Mas não será no teu tempo. Confia!
Levanta-te, erga sua cabeça e tenha bom animo.
Uma armadura celestial está descendo dos céus para revestir tua alma...

A batalha nunca cessará, por isso vigie... Sejas sentinela atento!
Em tuas mãos será colocada uma espada flamejante,
E serás coroado com o elmo dourado da sabedoria.
Mesmo assim ainda haverá abismos a vencer, não se iluda.

A pedra lançada contra ti será devolvida a quem lhe acusou e julgou...
A flecha mirada ao teu coração será revertida ao seu atirador...
Os espinhos que plantaram em teu jardim cresceram no jardim de quem os semeou...
Todo o mal desejado a ti retornará três vezes maior a quem os desejou...

Uma nova porta será aberta em sua vida, uma porta que ninguém fecha!
Continue trilhando o caminho da luz, do amor e atravesse essa porta...
Quão grandioso é o que te espera, não é ouro, nem prata



Bom dia amor...

Acorde com meu beijo e desperte com meu abraço
Aqueça o meu corpo com o teu corpo entrelaçado...
Deixe que eu me perca no perfume atrás da tua orelha,
Na maciez da tua pele aveludada, no aconchego dos teus cabelos...

Marcelo Reis, outono 2009.


Messaggio per te

Tente sim agradar a todos, mesmo sabendo que é impossível. Você ao menos estará diminuindo expressivamente os que poderia desagradar. Quanto mais simpatizantes você adquirir ao longo da sua jornada, maior serão as acolhidas e ofertas de auxílio. O egoísmo, a intolerância, a truculência, a soberba, o orgulho e a mesquinhez serão como fardo pesado atrelado ao dorso do peregrino... É importante você saber que primeiro devemos organizar nosso universo interior, fortalecendo-o e alimentando-o com ética, caráter, amor, paciência, perdão e coragem. Depois disso você poderá juntar apoio e ir rumo ao poder. Faça da sua vida como um começo de um texto, um texto mal iniciado é como um sorriso em uma foto, pode até se tratar de um rosto angelical, mas se esse sorriso faltar um dente, todo o resto perde o encanto e assim é com um texto, escreva cada dia da sua vida um começo que agrade, que transmita verdade. Faça com que as pessoas que o rodeiam sintam interesse em saber mais. Marcelo Reis, outono/09.






PAULISTÂNIA

Nas minhas veias correm apressadamente os sonhos e anseios dessa gente
Em cada rua, esquina, praça e avenida a desigualdade torna tudo cinza...
Megalópole cultural, caldeirão de raças, credos, conceitos e preconceitos,
Capital financeira, locomotiva... Há quem estanque suas feridas?

Tens um que de tristeza, uma inexplicável melancolia...
Entre a multidão de gente uma solidão permanente.
Monstros de concreto e aço te cercam, sufocando o ar a fuligem,
Titânicos espelhos onde o sol se admira de seu brilho.
Cidade de todos os odores, de todas as cores, todos os sabores,
Todas as tribos, todas as danças, todas as dores e todas as esperanças...
Existe um frio que cerca a quem vive aqui, desde os condomínios até as favelas,
Os cortiços, as vielas... As vilas, as pinguelas. Todos somos células!

São Paulo cidade viva, pulsante... Cidade das avenidas acolhedoras,
Cidade dos abandonos, das carroças de papelão, do êxodo urbano, da migração.
Cidade profana, cidade divina... Mortes no asfalto todos os dias.
A ti nunca serei leviano, trago no peito o amor e respeito, o orgulho de ser paulistano.

Marcelo Reis, inverno de 2009.

Indo ao eterno

Requiem aeternam dona eis...
Por que nada mais me aflige em minha existência
Calada para todo sempre será a dor ingrata
E a poeira do esquecimento cairá sobre minhas obras

Eli, Eli, lamá, sabactâni... Ouve a minha prece.
No meio da tempestade, sopra para longe o tufão!
Abranda a minha alma, escalda a lava da boca do dragão!
Afaste de mim para as profundezas Tiamat...

Desarme os laços de Moloch para que não seja sacrificada a inocência
E que a cabeça da serpente seja esmagada por teu cajado...
O ferrão do escorpião perca seu veneno e que se cale o rugido do leão,
Manso e inofensivo seja Manticore e desvendado todos seus enigmas...

Agora para onde eu vou? Não tenho um sextante...
Apenas vagueio no nada e a batalha ainda existe,
Espera a sorte Mardoqueu, à ti virá a espada flamejante,
E em um instante vencerás Mitra! Dominus vobiscum. Amém!

Marcelo Reis, inverno 2009.

Fujamos da iniqüidade do homem hipócrita, sejamos prudentes...
Estão à espreita nas sombras criando armadilhas para envolver-nos.
Artifícios ardilosos e lábia sedutora, armas letais contra nosso espírito.
Se andares com os lobos em pouco tempo uivará a lua...

Apesar da efemeridade de nossa existência podemos criar a eternidade...
Somos perfeitos em meio ao caos e profanos ante ao divino,
Criaturas admiráveis, seres exuberantes, repletos de sentimentos conflitantes.
Aprender com os erros é evoluir. Devemos fazê-lo. Confia!

Marcelo Reis, inverno 2009.


Pura palavra

Há quem possa interessar o passado mal projetado e a semente infecunda...
Por que é no viço da tua mocidade onde se guarda o solo fértil da vida.
E a quem culpar por tantos passos tortos e tropeços inevitáveis?
O destino? Não certamente, talvez a sabotagem fora do espelho...

Também é verdade clara que nunca é tardio o arrependimento,
Pode-se reerguer-se, ressurgir, recriar-se e retomar a direção reta.
Mas por que insistir em sempre trilhar “caminhos estreitos”?
Muitos desistem na metade, falta-lhes ânimo para receber a herança...

Pensando em você

Eu penso em você todo dia
E penso com tanto carinho...
Eu sei que vou te encontrar um dia,
Mesmo que não seja nessa vida.

Aquele abraço não ficará mudo!
Tenho há tempos um beijo guardado para lhe dar.
Um beijo com todo o meu carinho...
Um carinho de pássaro em seu ninho.

Eu penso em você e a saudade me salda,
O tempo não passa... Uma dorzinha formiga meu peito.
E eu lembro das tuas risadas, lembro das dobras no canto dos olhos...
O teu sorriso alegrava a minha alma.

Tenho no espírito tatuado as caldas tardes de maio,
A brisa com fragrância de mato cortado,
O descanso de barulho de chuva no telhado...
O sonho da tua presença estando eu, acordado.

Marcelo Reis, outono 2009.

poemÃO

Não escrevo para passar o tempo ou por mera diversão.
Escrevo com minha alma, com meu sangue e coração!
Escrevo encantos, desencantos, fantasia e paixão...
Escrevo flores, espinhos, vindas, idas, saudade e solidão.

Marcelo Reis, inverno 2009.

Carpe diem


Meu pensamento voou de encontro a tantas lembranças... Viagem.
A criança viva em meu espírito sorriu esperanças tantas,
Como tantas foram as lágrimas, os pesares, os lamentos e suplicas.
Como tantos foram os dissabores, os amargores, os tormentos e horrores.

Nos Campos Elíseos meus pés poderiam fugir de todas as dores,
Beberia das águas do esquecimento para que minha alma pudesse descansar.
Cada um edifica um templo de acordo com o tamanho de sua deidade...
Trilhamos caminhos por lugares proibidos, caminhos sem volta.


Marcelo Reis, inverno 2009

Tributo à inocência

Eu fui oprimido, humilhado, ferido na alma e sobrevivi.
Fui julgado, prejudicado, caluniado e em silencio eu me manti.
Quando criança respirava esperança, vivia em sonho, paixão juvenil.
Já há tantos passos na areia, há tantos tropeços, minha semente ainda é fértil.

Sentei-me ao alpendre, contemplei o poente, viajei docemente ao infinito.
Ai um sorriso brotou em meus lábios, estava encantado, sentindo-me pássaro.
A noite veio sem lua, mas quantas estrelas brilhavam no céu...
Hypnos sorrindo olhou-me de esgueio e sorrateiramente partiu.

Marcelo Reis, inverno de 2009.

TOP TEM OF LIFE

Eu descobri algumas coisas que gostaria de compartilhar...
Os sonhos não morrem, eles se renovam. Não sofra por não ter chegado no objetivo esperado, entre o que planejou até a realização você cresceu, aprendeu, conquistou pequenas mas importantes vitórias. Não deixe a frustração te abater, os obstáculos que aparecem no caminho podem ser vencidos de várias maneiras, ou até mesmo, desviados. Não tenha medo em recuar, não tenha medo de arriscar. Tenha sim, e muito medo de se acomodar, de se conformar. Todos sabemos da efemeridade da vida e também de sua fragilidade, sabemos das inconstâncias e que devemos plantar se quisermos colher. Por mais que a safra não seja satisfatória ou abundante, o mínimo existirá para manter nossos corpos em pé e termos forças para mais um plantio.
Pense sempre positivamente e não olhe para direita ou para esquerda. Você pode até não ser no final o grande campeão, pode não receber honrarias... Mas com certeza absoluta, estará entre os dez mais. Marcelo Reis/09.

Labirinto de Creta

Onde vagam esses olhos perdidos e tristes? Busca consolo no horizonte?
E essa boca seca é sua? Esse gosto amargo já lhe faz companhia há tempos?
Por que esse jardim florido lhe parece tão cinza? Onde se esconderam as cores?
Essa mão tremula e esse ardor em tuas entranhas te pertence desde quando?

E essa febre, essa vertigem... Por que se espanta com tamanha facilidade?
Pede paz e estás ao centro do conflito. Árdua peleja! Tens o coração ferido.
Uma guerra que não é sua, batalha inútil e sem sentido...
Acumulam-se as mágoas, as decepções tornaram-se inevitáveis.
Como encontrar o caminho de volta? Não há nada e ninguém para te amparar...
Quase vencido, traído por si mesmo. Sem alento, à beira do precipício.
Acaso acredita que possam brotar-lhe as costas alvas e longas “asas”?
Elas não virão do nada! Terás que confecciona-las... Pobre de ti Ícaro, sonhas demasiado...

É difícil erguer a cabeça, ver o todo. Reunir forças e voltar a sorrir...
Mas é preciso que tente... Uma, duas, três... Quantas forem às vezes.
Tente, tente e tente! Insistentemente... Não desista. Persista...
Em cada tentativa estará escondida uma chave. Vá encontrando as saídas.

Marcelo Reis, inverno 2009.

Retalhos de uma vida a dois

É... O amor é um cristal raro, fino e caro... Depois de quebrado... Não há como juntar os cacos.
O tempo não volta atrás... Não adianta! Ainda não inventaram a máquina do tempo.
Não adianta ficar preso no passado... O futuro espera que façamos coisas melhores...
Vamos esquecer os fracassos, nem sempre eles nos tornam fracassados...
Quem teve tudo e jogou fora, não está apto a desgostar de quem pegou seu “lixo”... Sempre alguém pega as sobras. Sempre haverão de pegar os necessitados...
Basta! Estou cansado... Entenda como quiser, quanto mais tento me explicar, mais me enrolo na tua teia.

Marcelo Reis, inverno 2009.

Imagem P&B

A vida começa com um choro da gente e acaba com o chorar de alguém.
O que para o homem é ciência, para Deus é loucura...
Quando a sua alegria é um pouco a do outro, isso é amor louco, mas verdadeiro...
Há quem não poderá entender, mas pode aparecer alguém que mude o seu destino e se torne muito importante pra você...
Dizem que recebemos de volta todas as nossas intenções triplicadas...
Sabe, existem momentos na vida que você pode estar à beira de um penhasco, mas esta com os olhos vendados pela dor, aí pode aparecer um anjo que o guie ao caminho contrário ou um demônio que o empurre... Tive sorte...

Marcelo Reis, inverno 2009.

Tânatos


O amor é pura poesia, versado em trovas enlouquecidas e desesperadas.
Quem ama se fragiliza, engana-se, se arrisca... Sofre sempre, sempre.
A flor da pele... Desmedida emoção... Coração na garganta... Rasga o peito paixão!
Lágrimas, sorrisos... Assim vou caminhando... Vivendo, sofrendo e amando.

Quanto mais tento fugir, mais me prendo as teias de um destino dantesco...
Não há como lutar contra as ordens armadas que saem de mim mesmo.
Inútil tentativa... Com sofreguidão sigo, exaurido. Pesa-me a alma anjo ferido.
Desci ao Tártaro sobre as bênçãos de Gaia e nenhum mal me atingiu...
É preciso enxergar a treva para depois ver a luz, ninguém nasce sabendo tudo...
São esses tropeços o que nos eleva, faz-nos crescer e sermos mais fortes.
Da a nós calos nos pés e nas palmas das mãos essa peleja inglória da vida...
E assim como casca, casco, pele debaixo da armadura, vamos à luta!

Amar é bem verdade, loucura... Transgressão as próprias convicções.
Ter coragem para enfrentar Tritão e confiança em vencer seu arpão...
Amar é magia, é rosa, é pétala macia e cheirosa, mas é principalmente, espinho.
Para quem ama o mundo é dividido entre os que choram e os que vivem sorrindo.

Marcelo Reis, inverno 2009.

INTENSO

Não sou meio, não vivo “metades”... Em mim ardem dores, vertem “saudades”.
Sonhos frágeis, tremores. Sobressaltos noturnos repletos de temores.
Sei que o amanhã não existe, mas insisto em planejá-lo com requinte.
Sei que esse mar de mágoas pode me afogar, mas acredito que a tormenta vai passar...

Se for para queimar, sou labareda... Se for para apagar, me esqueça!
Eu não espero que asas me levem para voar, me atiro de cabeça...
E se me der na veneta ganho o espaço. Viajo o cosmo. Viro cometa!
Eu caio, eu brigo. Batalho, me humilho. Levanto ferido, mas nunca... Nunca vencido.

Marcelo Reis, inverno 2009.

Somniu Vitae

Até que pode ser amor... Como saber? Sempre são parecidas as paixões...
Como explicar o gostar? Esse bem querer gratuito e espontâneo...
Um sentimento de tamanha generosidade e desapego...
Vontade de rir com teu riso, sentir o perfume da tua pele, te fazer carinho.

Por que vem do nada, chega e avassala minha alma. Bagunça tudo por dentro...
Estranho sentir prazer em meio a esse tormento... Conto horas para ficar minutos perto.
É sublime sua figura a todo instante no meu pensamento, me conforta, trás alento.
A tenho em meus sonhos... Mesmo sem seu consentimento. Vivo e vou morrendo.

Marcelo Reis, inverno 2009.

Ilegalmente minha

Você é tudo isso que me parece bom aos olhos e ao coração;
Alimenta minha alma, infla meu tórax, transborda minha botija de paixão!
Anjo reluzente, encanto incandescente, pedaços de cristal...
Seu beijo é explosão de sentidos, é festa de cores, puro carnaval!

Olhinhos ardentes, centelhas de desejo em brilho inocente.
Sorriso encantador, convite ao furor... Delírio inconseqüente...
Entre paredes, a luz apagada. A chama é lançada, labaredas ardendo em mim...
Entre um toque e outro viajo em teu corpo... Consumo meu sonho em fim.

Marcelo Reis, inverno 2009.

Melhor amigo

Sempre que pensamos em amizade, colocamos as maiores virtudes sobre alguém que admiramos e sentimos um profundo respeito e carinho. Atentem a essa grande responsabilidade que colocamos nos ombros dessa pessoa. Esperamos com tudo que essa amizade nos de apoio nas horas difíceis, que nos ampare em nossas prostrações, que nos incentive quando estivermos desanimados. Isso geralmente ocorre, para quem deseja viver uma verdadeira amizade sabe que deverá atender as expectativas de quem o escolheu. Entretanto essa pessoa ainda não é seu melhor amigo. Espantou-se? A verdade é que seu melhor amigo está guardado dentro de você mesmo, se você não conseguir encontrar dentro de si próprio todas as virtudes que espera no outro, jamais conseguirá que as vejam em você também, assim não conseguirá ser um verdadeiro amigo de ninguém. Não pense que é fácil, mas não podemos desistir de encontrar esse amigo “eu”. Essa busca irá enriquecer sua vida. Siga em frente!

Marcelo Reis, inverno 2009.

BRUCUTULISMO

Existe uma doença que ataca o coração de algumas pessoas...
Essa enfermidade atrofia o músculo “bomba” coração,
Deixando-o endurecido, petrificado... Intransponível...
A compaixão e solidariedade dão lugar à intolerância...

A ternura desaparece e a tronculencia finca bandeira...
Não espere de quem tem essa doença, concideração...
Para eles não fazemos mais que nossa obrigação servi-los.
Ainda não há tratamento eficaz, quem sabe Deus...

Marcelo Reis, inverno 2010.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

O GARANHÃO E A POTRANCA II


QUERIDO, É SÓ ME CHAMAR QUE EU VOU
NESSE JOGO DE SEDUÇÃO
OS DOIS GANHAM
PURO TESÃO!

ENTRE OS LENÇÓIS ME PERCO EM VOCÊ
NUM VAI E VÉM DE CORPOS SUADOS SE AMANDO
COLADOS, RENTES, TRANSFORMADOS EM UMA SÓ CARNE
DESEJOS REALIZADOS, CORAÇÕES ACELERADOS...

COXAS QUE SE ENROSCAM
PERNAS PARA O AR
E TODA ESSA VONTADE DE AMAR...

BOCAS QUE TROCAM LÍNGUAS DESESPERADAS
NA PROCURA DO FOGO QUE COMEÇA COM O BEIJO
E TRANSPASSA PELO RESTO DO CORPO
PELE ARREPIADA
CONTRAÇÕES NA VULVA MOLHADA

E TEU MEMBRO TESO
COM A GLANDE PINGANDO
PRÉ-GOZO QUE SE FAZ
DE EU TE DEIXAR LOUCO, DESEJOSO...

NESSA DANÇA DE NOSSOS CORPOS
DELÍCIAS DITAS AO OUVIDO
GEMIDOS, GRITOSDE PRAZER, DE SATISFAÇÃO
DE VER REALIZADAS FANTASIAS
HÁ MUITO ESCONDIDAS...

ESSA MULHER FAZ O QUE VOCÊ QUER
LOUCA, DESVAIRADA
INSANA...
DE PRAZER SE SACIA
E QUER SACIAR
ESSA TUA VONTADE DE CAVALGAR

FAZ ASSIM, GARANHÃO:
TUA POTRANCA AQUI ESTÁ
GOZA ENTÃO...

FÁTIMA ABREU
Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=86906#ixzz0tgUDQGia Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

terça-feira, 29 de junho de 2010

Aconteceu... Sem explicação!


Tive amores na vida e depois de um turbulento término da relação me vejo novamente enamorado por alguém e sem saber o que fazer o que falar o que dizer a ele...

Parece que revivo minha adolescência de apaixonado, flutuo em meus pensamentos, divago na imensidão olhando o nada somente com uma luz sobre você que me apaixonei inesperadamente ou estranhamente...

Nunca o vi, nunca o toquei, nunca o senti...
O que posso fazer contra um belo sentimento?
Sei...

Eu sei que você já faz parte de mim...
O dia amanhece, e lá já estou eu, a pensar...
Durante o dia meu pensamento não consegue fugir, mas é na noite que tenho notícias tuas...
Nos meus sonhos que flutuo ao teu encontro, sonhos que fico a relembrar...

Sei...
Sei que do outro lado da tela do meu monitor existe alguém, este alguém também pode estar sentindo as mesmas sensações, as mesmas emoções, mas...
E se não forem às mesmas?
E se não forem na mesma proporção?

Não sei...
Pensar e pensar, repensando chego a conclusão que...
Quem sabe, com calma o tempo falará mais alto e saberei o caminho que o sangue percorrerá em minhas veias dominando-me na coragem de encarar um talvez novo amor, uma nova vida...
Quem sabe!

*
Alexandre e Luiz

domingo, 27 de junho de 2010

LEMBRANÇAS DE PRAZER


Desfaleço porque o prazer
já se fez acontecera minha vulva úmida
escorre nossos líquidos
a pele está quente ainda
o sangue está fervendo nas veias
a boca pede mais beijos
sente ainda o pulsar da gruta
ela lateja, quer mais...
Sabe o bem que me faz!
Passo os lábios pelo teu ombro
os dedos percorrem tua face
sorrio...
as "fisgadas" são mais fortes agora:
a vulva, queima, implora...
quero mais de você
deixo teu membro de novo, disposto
te arranco gemidos,
fortes, desatinados...
Bem ao meu agrado!
Gosto sempre assim,
gemendo por mim!
realizando minhas fantasias
você consegue me fazer escrava e dona
cada dia,
uma outra maneira:
fazermos amor pelas letras
coloca aqui as tuas mãos
Descreve todo o teu tesão...
Eu devolvo as palavras
com fortes gozadas
sabe bem como é
já viu essa fêmea
em gozo,
a se desmanchar
que soube vorazmente
Me dar...
*
Fátima Abreu

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Liberdade de amar.


Me sinto livre comigo
Com pensamento otimista
Coração acelerado
Algo novo a vista

Ainda não sei ao certo
Mas quando vejo seu sorriso
Estampado em uma foto
Sinto o amor novamente perto

Será que esse sonho...novamente em vão?
Ainda não sei
Mas tenho certeza
Que estou livre pra viver essa paixão.

*
Julio Cezar Queiroz.

Beijo Roubado.


Roubei-te um beijo.
Um beijo bandido.
Um beijo proibido.
Tão doce quanto mel .

Tirei tua roupa.
Joguei-te na cama.
Acendi as velas.
Botei fogo nos teus desejos mais perversos.

Mordi teus lábios e te deixei louca.
Beijei desde teu pé até tua boca.
Depois na hora ‘H’ fiz você gritar.
De amor e desejo.

Agora todos os dias lembro de você.
Por causa daquele beijo roubado.
Daquele momento indiscutível.
Daquele sexo maravilhoso.
E daquela noite inesquecível.

*
Pedro Pádua.

Vento do destino.


Assopra pelas pétalas das flores.
Balança os corações de amores.
Levarás consigo as dores.
Vento do destino.
Para onde vós fostes.

Sinto sua presença na minha face.
Deixastes minha vida nesse desastre.
Procurando o invisível pelo tempo.
Sem saber qual o caminho.
Em meio a tantos ventos.
Quero você vento do destino.

Levaste consigo minha vida.
As quatro estações do ano me deixaram melancolia.
Verão, outono, inverno e primavera não me trazem alegria.
Vento do destino o que fizestes comigo.
Deixastes-me sozinho igual às poeiras do caminho.
Nem as lágrimas dos meus olhos, hoje juntam o que foi perdido.

*
Elvis poeta de rua

http://elvispoetaderua.blogspot.com/

segunda-feira, 21 de junho de 2010

LÁBIOS


LÁBIOS QUE SUPLICAM
BEIJOS QUE AINDA NÃO CHEGARAM
LÁBIOS QUE ARDEM EM DESEJO,
PELA OUTRA BOCA
DONA DE SEUS BEIJOS...

LÁBIOS FEBRIS
ADOÇAM BEIJOS QUASE GENTIS...
MAS OS LÁBIOS NÃO QUEREM APENAS
"SELINHOS" DE MOMENTO.
QUEREM BEIJOS QUENTES,
QUE ARDAM POR DENTRO...


LÁBIOS DE MEL
ADOÇAM BEIJOS CARINHOSOS
LÁBIOS PINTADOS DE BATOM
COLOCAM NOS BEIJOS
A MARCA DO VERMELHO
DA PAIXÃO...

EM GOSTOSA TROCA DE LÍNGUAS
QUE QUEIMAM O CORPO TODO
QUERENDO MAIS QUE A BOCA,
PARA SE TOCAR...
CARREGANDO OS LÁBIOS
PARA UMA DELICIOSA EXPLORAÇÃO

DA PELE EXPOSTA...
NO SUAVE TOQUE DOS LÁBIOS,
A NUDEZ DO CORPO SE ARREPIA...
E COMEÇA UM JOGO DE SENSAÇÕES:

AQUELE TOQUE DOS LÁBIOS,
AGORA, EM PARTES MAIS SENSÍVEIS:
LÁBIOS QUE CIRCULAM
OS ÓRGÃOS DE PRAZER

LÁBIOS, QUE SÃO CAPAZES
DO ORGASMO TRAZER...

*
FÁTIMA ABREU.

sábado, 19 de junho de 2010

MOMENTO DE ENTREGA


MEU CHEIRO DE ALMÍSCAR SELVAGEM
INVADE A CASA NESSE MOMENTO...
PREPARO-ME PARA SER TUA
COLOCO MAIS UMA DE MINHAS LINGERIES SENSUAIS,
SEI QUE TE ALEGRA!

GOSTA DE OLHAR, QUANDO CHEGA...
MAS LOGO QUE VAMOS PRA CAMA, TIRA TUDO...

DISSO, SE ENCARREGA...

GOSTA DO CLIMA DA SURPRESA

QUE FAÇO SURGIR,

CADA VEZ QUE DE MIM, VEM SENTIR...


E QUANDO NA "NOSSA" CAMA ESTAMOS

FAZEMOS LOUCURAS DE AMOR

PORQUE ASSIM É MAIS GOSTOSO:

SENTIR TUDO, ANTES DO COMPLETO GOZO...

COMEÇAMOS COM NOSSOS BEIJOS ARDENTES

PASSAMOS PARA AS LAMBIDAS

DEPOIS CARINHOS PELO CORPO

MORDIDINHAS PELO OMBRO E PESCOÇO

LÍNGUA DELICIOSA, DOCES BEIJOS...

QUE SABOREIA MEUS MAMILOS

E QUANDO NÃO ESTAMOS MAIS AGUENTANDO DE DESEJO,

VAMOS À ENTREGA TOTAL DESSE AMOR:

VOCÊ, DENTRO DE MIM

E EU, TE FAZENDO GEMER

SENTINDO A VULVA ÚMIDA, QUENTE

DE VONTADE DE VOCÊ...


CUIDO PARA QUE OS CARINHOS NÃO CESSEM...

AFINAL, SOMOS DOIS ROMÂNTICOS

TEMOS QUE ESTAR NOS SENTINDO,

COM AMOR

ASSIM, CONTINUO OS BEIJOS, COM FERVOR...


E COMO ADORAMOS BEIJAR!

FAZEMOS ISSO, DO COMEÇO AO FIM...

ESTÍMULO QUE GOSTAMOS

E ASSIM, É...

ATÉ NO MOMENTO QUE GOZAMOS...

E ME CHAMA DE MINHA FÊMEA,

MINHA MULHER,

MINHA GAROTA,

MINHA DOIDINHA

E ASSIM, VEM...

E EM MIM, SE ANINHA...


ADORO TUDO QUE FAZ

MEU MORENO QUERIDO

E RETRIBUO COM O MAIOR CARINHO

TE DANDO MEU CORPO DE TODAS AS MANEIRAS, QUE QUISER

SÓ PARA CADA VEZ MAIS, ME FAZER TUA MULHER...


*
FÁTIMA ABREU.

ALUCINADA!


ENTÃO ERA ISSO QUE QUERIA?

FAÇO ENTÃO...

NADA DE LIMITES PARA UMA FÊMEA!

QUANDO ELA QUER SER UMA PRESA...

MUITAS VEZES A FÊMEA SE DEIXA DOMINAR

PELO CAÇADOR,QUE A ENCANTOU...
.......................................................................
Acaricio,mordo,

assopro, lambo, devoro...

Sacio desejos,

percorro teu corpo, com meus beijos...

.......................................................................

A LINGERIE, TE DEIXO ESCOLHER

AFINAL, PONHO PARA VOCÊ

EM INSTANTES, ELA FICA AO CHÃO

QUANDO COMEÇAM
NOSSOS MOMENTOS DE PAIXÃO...

...........................................................................

Nua,
passeio com a língua

pela tua pele arrepiada

te deixo dormente

é assim que você, me sente...


Nu,

se enrosca em mim...

Levanta minhas pernas,

caminho do teu prazer,

se contorce,

cavalga...

E eu rebolo, alucinada...

.......................................................

QUANDO DIZ QUE ME AMA,

ESSE DESEJO ME INFLAMA!

QUERO TE ARRANCAR O GOZO,

A QUALQUER CUSTO...

ENTÃO NESSA HORA,

ME FAÇO TUA VADIA,

RAZÃO PARA TUA FANTASIA...

.................................................................

Alucinada!

Nisso me torno,

pela pessoa amada...

Alucinada...

seduzo e me deixo seduzir,

faço você sentir,

a vulva pulsando, arde...

de vontade!

FÁTIMA ABREU

APERTA FORTE, MINHAS ANCAS...

Aperta forte, minhas ancas...
A respiração está ofegante
o peito bate acelerado
gemidos desgovernados...
o meu seio fisga
pede para ter uma boca, para sugá-los
você vem,
e preenche todos os meus espaços...

Não deixa dúvida alguma
que satisfaz a mim e qualquer criatura
teu jeito de amar selvagem
me faz fêmea dominada
e você, meu macho saboroso,
me faz tremer
quando chega o gozo...

Sinto as carnes tremerem
arrepios de prazer
a vulva melada
quer mais uma vez
ser usada...

Te peço que fique mais um pouco:
não vá para o banho agora
deita sobre mim
que te deixo louco!

Sei os meandros da sedução
e quem já provou
sentiu o verdadeiro sabor...
diz a verdade:
sou a mulher que nunca teve antes
aquela que te faz delirar
em deliciosos rompantes...

Vem, meu bem
sabe que te deixo teso
assim que te dou meus beijos...
agarro e aperto
teu membro, e logo o desperto!

Sente minha mão apertando teus testículos,
massageando tua virilha,
arranhando tuas coxas,
com minhas unhas cravadas,
quando de amorestou tomada...

Faço mais:
pego teu membro com a mão
e levo à beira da minha gruta desnuda,
enfio de uma só estocada
afinal, ela está toda molhada...

Galopa então mais uma vez
enquanto rebolo meus quadris
de quatro, e bem ao meu gosto
pena não olhar assimo teu rosto...

Queria assistir
a tua face mudar
quando galopa nessa tua potranca
e aperta forte, minhas ancas...

Ah, depois me vira de lado,
sabe como gosto assim:
de "conchinha" é bem gostoso!
gozo muito assim...

FÁTIMA ABREU

segunda-feira, 14 de junho de 2010

O Encontro


A distancia os separavam...
Quanto sonhavam esse encontro
Mas agora estão frente a frente
No olhar a admiração.
O sorriso estampa a linda face
Se aproximam...
E nesse instante nada ao redor existe
E mesmo com o nervosismo que persiste
Um beijo consagra o que o amor permite

Julio Cezar Queiróz.

VOCÊ NÃO SAI...


AS HORAS SE VÃO
E VOCE NAO SAI DE MINHA CABEÇA
MEUS DESEJOS FLUEM
ME TIRANDO DA REALIDADE.
UM VAZIO ME DOMINA
MEUS OLHOS SE FECHAM
SINTO TUAS MAOS
SE PERDEREM EM MEU CORPO.
SEUS LABIOS QUENTES
TOCAM OS MEUS LABIOS
TUDO PARECE TAO REAL.
MEU CORAÇAO INQUIETO
GRITAR PELO TEU CORPO
PELOS SEUS CARINHOS
TUDO E TAO MAGICO
TAO PERFEITO
ATE O TOQUE FRIO DO VENTO TOCAR MEU CORPO
ME TRAZENDO PRA MINHA REALIDADE
ONDE VC NAO EXISTE
E AO ABRIR OS OLHOS NOVAMENTE
PERCEBO VOCE ERA APENAS UM SONHO
UM SONHO QUE POR ALGUMAS HORAS
ME FEZ DELIRAR
ACREDIATAR NO AMOR PERFEITO
NO AMOR DE ALMAS
NO AMOR UNICO
FOI DESTA FORMA QUE TE AMEI
MESMO SABENDO
QUE UM DIA EU IA ACORDAR
EU TE AMEI
EU TE AMO COM A MINHA ALMA
COM A MINHA PUREZA
TE ENTREGUEI MEU CORAÇÃO
MINHAS ALEGRIAS, MEUS SONHOS
ACREDITANTO EM SUAS PROMESSAS
MESMO SABENDO QUE UM DIA
EU IRIA ACORDAR
ME DEIXEI SONHAR....
.
♰-√ΔறƤÏЯΔ-♰:

ME DEIXE..

Quero olhar em seus olhos devagarinho, beijar seus lábios,
Sentir suas mãos me tocarem fortemente,
E em seguida, percorrem meu corpo.
Sua respiraçao ofegante, aquece minha pele
E sua voz suave, me chamar de sua
E nesse momento mágico
Vou me entregando a você
Sem medo, sem pensar no amanha.
Na minha razão,
Esquecendo meu mundo
Me levando ao teu mundo
Me tornando totalmente sua, só sua...
E com o passar do tempo,
Nossos desejos fogem de nosso controle
E nossos corpos, se tornam apenas um
Em uma união de amor absoluto.
Fazemos juras como se não existissem
Mais ninguem, somente eu e voce.
Morreria neste momento
Para nunca mais te perder ...
Eu te amo como nunca amei ninguém .
.
♰-√ΔறƤÏЯΔ-♰:

Queria poder.


Queria poder descrever o q sinto aqui agora
algo q me faz tao feliz e ao mesmo tempo tao triste
a distancia não deveria existir
queria esta bem perto de ti agora
queria te tocar , te olhar
e com um sorriso te dizer
o quanto te amo
o quanto sou feita de vc
que sobrevivo de vc
a cada dia mais e mais
cada segundo da minha vida
se torna eternidade longe de seu calor
meu corpo grita pelo teu
em so unico desejo
de te amar com todo meu desejo
e meus labios suplicam pelo teus
me mostrou como e bom ser amada
e hoje ja não saberia viver sem vc
nunca se esqueça
vc me ensinou apenas a
TE AMAR !!!
mas não me ensinou a te esquecer
por isto nunca me deixe pois irei morrer sem VC !!!
TE AMO COMO NUNCA AMEI NINGUEM
e te amarei para sempre!!!
*
√ΔறƤÏЯΔ.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Carne que procura outra carne...

FOGO QUE ABRASA SEM FIM
DESEJO DENTRO DE MIM...
CARNE QUE PROCURA OUTRA CARNE,
ENCONTRA...
LOGO ESTÃO UNIDAS:
AS CARNES, DAS VESTES, DESPIDAS...

O BEIJO É IMINENTE!
NÃO DEIXARIA DE SER ASSIM:
É DO AMOR, O ESTOPIM...

OS ABRAÇOS, AS CARÍCIAS, OS "AMASSOS"...
FAZEM PARTE DE NÓS
JUNTOS, AQUI
EM MOMENTOS DE PRAZER CONTÍNUO,
QUANDO LÍQUIDOS FARTAMENTE ESCORREM NOS LENÇÓIS,
VINDOS DE NÓS...

MELAM AS NOSSAS COXAS ENTRELAÇADAS
DEPOIS DE NOSSO GOZO LIMPAMOS,
MAS RETOMAMOS O COITO
NOSSO DESEJO É CONSTANTE
LOUCOS AMANTES...

COM DELÍRIO, EU ME ENTREGO
NADA ENXERGO, ALÉM DESSE MOMENTO
ESQUEÇO PROBLEMAS
FAÇO DELES, ECOS APENAS...

A SATISFAÇÃO DE ESTAR COM VOCÊ
É O MEU MAIOR PRAZER!
QUANDO ESCUTO TEUS URROS AO GOZAR
CRAVO AS UNHAS EM TUAS COSTAS,
E GOZO TAMBÉM...
ESSE MOMENTO,
É PURO DELÍRIO PARA MIM:
AMOR SEM FIM!

MINHAS PERNAS FICAM DESCONTROLAS:
POR MINUTOS ELAS TREMEM
ESPASMOS DE PRAZER...
A VULVA QUENTE E ÚMIDA
SE INUNDA,
DO TEU SÊMEN UNIDO AO MEU MEL...
OS LÍQUIDOS RESULTANTES DESSE AMOR
QUE GOSTAMOS DE PROVAR O SABOR...

TE OFEREÇO, COM OS DEDOS MOLHADOS
NA VULVA, E SABOREIA DO MEU MEL
CHEIRA, SE ENEBRIA...
FICA ENCANTADO, COM A MINHA MAGIA...

FÁTIMA ABREU

http://fatuquinha.blogspot.com/

segunda-feira, 31 de maio de 2010

INFLAMA, QUEIMA, ARDE...

A mão que afaga o grelo,
E a mesma que segura o seio.

Os bicos fisgam,
Querem ser sugados.

O grelo pisca ...
Quer ser massageado.

A mão bem faz o trabalho ...
Ela fica satisfeita.

Goza como louca!

Depois se deita,
Seu sono é tranquilo.

Mas por outra mão é instigada, Mão da Pessoa Amada.

Ele a toca, acorda,
A loba que nela há.

São completos juntos:
Luxúria e amor, não estão no quarto.

Ele a faz refém, prende seus braços,
Em suas ancas bate.

Faz dela o que bem quer.
Ela qosta, se sente mais mulher.

Mas ela quer mais, muito mais:
Que Ele ágora, Refém Seja.

Quer ter suas rédeas firmes.
Isso faz lhe bem.

Muitas vezes ela é uma presa,
Mas vez por outra, e a dona.

Inflama, queima, arde.
Da mulher, a xana.

Ela pede mais uma vez:

"Me chupa, lambe, cavalga.
Morde, arranha, beija.

Me faz tua musa,
A vadia, que Você tem todos os dias ... "


*
Fátima Abreu.

NUA, SEMPRE NUA...

Então gosta assim?

Apenas com o vestido sobre meu corpo,

Sem nada mais por baixo, nem top, ou calcinha?

Andarei assim pela casa, afinal se tanto te agrada...

O meus minúsculos "fios-dentais", não usarei mais...


Ficarei sem nada, para teu desejo afoguear,

Fica mais fácil para fazermos amor,

A qualquer hora, qualquer lugar...

Sem nada para atrapalhar...


E até em nossas caminhadas até a praia,

Basta um vento mais forte soprar,

Que logo meu corpo, irá mostrar...

Te deixo louco de vontade nessa hora,

Com as ancas expostas e as nádegas de fora...


Pensa em me beijar toda, e eu, em te fazer meu...

Gosto de te seduzir, provocar:

Faço o meu desejo passar para o corpo,

E a vulva molhada já está...


Teu pênis teso de desejo por mim,

Procura agora a porta de entrada,

Para o prazer, sem limites, que eu te dou...

Vem vamos deitar aqui mesmo, perto da areia da praia


Onde os olhos dos outros, ainda não nos alcança,

Nem qualquer criança...


Aqui nesse refúgio, ficamos assim:

Você completamente dentro de mim...

Sabores especiais, de um coito ao ar livre...

Como nós, amantes de sangue quente,

Sempre queremos algo diferente,

Muito mais que a cama somente...


Mas ao voltar para casa,

Continuarei assim despida:

Nada mais de biquinis, "fios-dentais",

Ou qualquer coisa mais...

Nua, sempre nua...

Para ser tua...


*
Fátima Abreu.

GOSTO EM DEMASIADO...

Vem devagar amor
Não faça barulho
Os vizinhos podem acordar
Quando estamos a nos fartar!
E quando me rasga as roupas em tesão desesperado,
Provoca em mim, uma reação de profundo agrado...

Desse jeito selvagem de amar
Eu gosto em demasiado
Gosto de me sentir a tua fêmea no cio
Mulher para todo o teu delírio...
Sabe que faço tudo que quiser,
Mas em troca quero o mesmo
Razão para todo o meu desejo...
Sou mulher com fome e sede de sexo,
E que arrebata você da cama, para qualquer lugar
Onde possamos nos deliciar...

Na casa, fora dela, não importa
Já fizemos em tantos lugares e de maneiras diferentes
O que importa na verdade, é o prazer que se sente!
E quando eu te mordo o canto dos lábios,
Te beijo do jeito que só eu sei fazer
Deixando louco meu poeta
Me desejando qual cão, à cadela...

Nessas horas, eu, a pequena mulher "mignon"
Se transforma em mulher sensação...
E te completa em todas as fantasias
Assim como faz com as minhas...
Juntos somos unos
Carne com carne, pele a pele
Arrepios de prazer, gemidos
Urros quando o gozo chega
E mais uma vez te faço a minha presa...

No teu corpo eu sinto o prazer supremo
Quando enroscada estou
E de amor me dou...
Em nossa dança do coito
Não paro nem um instante:
Te mordendo, beijando, arranhando
Como uma boa amante!

Não é a toa que diz,
Que eu sou a mulher que sempre quis!
Quem te faria melhor?
Ser uma dama, e uma ... na cama...


*
Fátima Abreu.

domingo, 30 de maio de 2010

FLEURINE E SEU DONO


Fleurine, amando seu senhor,
Fazia as "loucuras" que ele mandava...

Talvez porque, a magia que esse homem transmitia, a fazia ficar encantada...

E cada vez mais, apaixonada...

Fleurine era doce, como o mel que corria entre suas coxas...

Era de um cabelo comprido, com cachos nas pontas...
Que seu dono pegava, e com as mãos, um nó, dava...

Doce... mas de doce, se transformava

Em serva leal, mesmo sendo da nobreza...

Para seu senhor, fazia tudo, até ser sua sobremesa...


Depois do jantar, dela se servia...

Fazendo-a tirar um brinco

E enfiar na vulva já molhada,

Pelo desejo, que nela, ele causava...

Fleurine mesmo temerosa, obedecia

Fazia apenas o que seu dono dizia...

Ali, na casa do senhor,

Deixava a nobreza de lado,

E era a serva, para seu amado...


Com o brinco se tocava

E ele dizia:

_ Enfia mais, sei bem, do que é capaz!

Fleurine, mesmo com medo de se machucar

Enfiava mais e mais o brinco, para apenas a ponta se notar...

Ele, ficava olhando, e sorria...

Gostava daquela dominação!

Saber que governava aquela mulher,

CORPO E CORAÇÃO!


E cada vez ele inventava mais coisas inusitadas...

Fleurine obedecia...

Gostava de ver com que satisfação ele ficava, quando dela, dominava...

Certa vez, pediu que pegasse leite

E lhe disse:

_ Sem perguntar!

Ela correu à cozinha e trouxe o leite...

Seu dono então declarou:

_ Jogue sobre o seios lindos, que tem... e lamba depois, também!

Fleurine nem pestanejou...

Pegou o leite, e nos seus seios, jogou...

Lambeu gostoso, afinal era doce, o leite...

E ele, adorando a cena, para seu deleite...


Gozavam juntos de uma forma sempre diferente:

Algo mais do que o natural...

Quase transcendental...

E assim, Fleurine seguia as ordens do seu senhor...

Apaixonada que estava, por esse homem desvairado em prazeres...

E para ela, era mais do que ser servil:

Era mais uma forma de amar, que acabara por experimentar...
*
Fátima Abreu.

sábado, 29 de maio de 2010

Pensamentos insanos!



Senhor, o que faço se a pessoa não sai dos meus mais íntimos e impuros pensamentos?

O que posso eu um réu mortal condenado a ser atraído por uma pessoa que mal conheci?

Deus perdoa-me por que pequei até mesmo ao respirar imaginando que perfume usava como são suas vestimentas que usava naquele momento, como é seu tom de voz, sua maciez de pele, seus toques, seus lábios e seus beijos...

Seu TUDO...
Tire-me estes pensamentos insanos e impuros dos desejos da carne, sou fraco demais como ser humano para resistir meus desejos carnais e pensamentos insanos...

Ajuda-me senhor a resistir esta pessoa que mal conheço que mal conversei...

Sim, Deus eu sei...
Isto se chama Carência Humana de nome...

EU...
*
Escritor Leonardh.

FLEURINE


FLEURINE, EU ME CHAMAVA NO SÉCULO XVI...

ASSIM EU TE ENCANTAVA

ASSIM, O AMOR SE FEZ...

MEU QUERIDO COMPANHEIRO

DE VÁRIAS ERAS

TUDO FAZIA POR TI

PARA TE FAZER SORRIR...

E MUITAS COISAS INUSITADAS

EU FAZIA PARA TEU AGRADO

SERIA EU DONA, E NÃO SERVA

DESSE TEU CORAÇÃO?

AINDA AGORA, SERÁ ENTÃO?


FLEURINE! TU ME CHAMAVAS...

VENHA CÁ, PESSOA AMADA...

EU IA... E FAZIA...

TUDO QUE O MEU SENHOR, QUERIA...

AH, E EU ERA NOBRE!

MESMO ASSIM ME TORNAVA SERVA...

DOS TEUS DESEJOS INCONTIDOS

DOS MAIORES DESVARIOS...

MAS, EU ERA DESAFIADA!

E COM CORAGEM, OS TEUS ANSEIOS,

REALIZAVA...


MAS ME DAVA CARINHOS TAMBÉM...

ASSIM, COBERTA DE TEUS MIMOS

ME DELICIAVA...

NA CAMA, NO TAPETE

PARA SER TUA SOMENTE...

EU ERA TUA...

TODA NUA,

PARA TEU BEM QUERER

PARA TUAS VONTADES

PARA TEUS GOZOS

ESPALHADOS...

NA MINHA FACE

MELADA, DO TEU LICOR BRANCO...

E TE FAZIA SENHOR,

DE TODO O MEU AMOR...
*
Fátima Abreu.

JÁ CAINDO DA CAMA...



Os beijos, ah que beijos!
E quando lambe o pescoço, uiiiiiiiiii!
Te mordo em resposta,
Sei que isso, é o que mais gosta...
E assim tem início a entrega de nossos corpos
Com apertos, beijos, lambidas, mordidas...
A vulva se transforma em melado
Para teu agrado...
Pronta para te receber, está...
Põe então teu membro teso
Na gruta que te quer...
E vamos nos fartar!
Sempre deixa que eu goze, inúmeras vezes
É um cavalheiro!
Gosta de me ver tremer,
De corpo inteiro...
As minhas pernas até estremecem,
Em espasmos de tesão constante,
Abre-as então, como bom amante...
Quer saborear, o mel que escorrido?
Traz-me um pouco, para que eu prove também
Nos dedos passados pela vulva
Entrada tua...
Hummm, delicioso, e que odor!
Faz dela, a tua doce flor...
Coloco as pernas agora, para o alto
Está de frente para mim
Em galopes, qual garanhão em potranca
Me consome, me toma...
E gozamos juntos, já caindo da cama...
*
Fátima Abreu.

QUERENDO SEMPRE.


__DE FÁBIO MEEZI PARA FÁTIMA ABREU


Queria ter 15 anos

e ao invés de soltar pipa e jogar bola

te conhecer,

e quando tivesse 50:

te f...

como se estivesse f... minha própria mãe

queria ter dezoito:

casar contigo ficar até os 28...

depois ser chutado por ti na cara
e te ver a lambuzar-se com a p... de outro

queria ter 30...

te conhecer com 60:

ia te mostrar quando fosse p... velha

que me arrebenta o cérebro...

como me odeio por te amar!

queria ter oitenta:

ir no teu covil de p...cafetina

te f... sem pagar

para ser espancado por seus asseclas

quero ter qualquer idade

de qualquer jeito

do pús do pau, ao jorro no peito...

nós, pobres diabos:

nunca esqueceremos teu maldito leito.

.......................................................................................
___DE FÁTIMA ABREU PARA FÁBIO MEEZI


Queria ter mil idades

E ser sempre dona de tuas vontades

Queria ser essa mulher sempre

Que te faz enredar pelos meus caminhos

Razão de teus delírios febris

Que te mantém refém

Dos meus desejos

Das minhas fantasias e carinhos...

Com meus beijos e mordidas,

Nos cantos dos teus lábios

Como você gosta...

Te fazer nessa hora, a minha maior proposta:

Queria ser sempre

Aquela que te deixa teso

Mesmo que tivesse os tais oitenta...

Te faria ainda assim, homem suficiente, para mim...

Queria ser a música em teus ouvidos

Para penetrar ali

Como minha língua gosta de fazer

E também isso, merecer...

Queria que minha vulva,

Mesmo que chegue a menopausa

Se encontre cobertas de líquidos

Mel escorrido

Pelo desejo instigante

Que você me deixa, meu homem/amante...

Queria deitar sobre você

Em todas as nossas idades

Me faço menina muitas vezes

Você cuida de mim

Noutras, sou mulher felina

Que dilacera tuas carnes

Na unhas cravadas em você

Quando estou no ápice do prazer...

Somos de todas as idades, meu amor

Temos a sensualidade por amiga

Ela nos faz vivos e excitados

Amantes da liberdade...

Nus ficamos

Em qualquer momento

Basta estarmos em completa sintonia

Do desejo, que nos alia...

Fazendo amor de forma selvagem

Mas que termina em carinhos brandos

Em beijos de amor profano

Porque me fez tua deusa

Para profanar, a hora que bem desejar...
*
Fábio Meezi e Fátima Abreu.

PROFANO E LUXURIANTE.


Curvilínea criatura
Emoldurada para ser tua
O pintor-poeta que a conquistou
E em versou profanos, a cantou...
Descreveu-a como santa a ser profanada
Blasfemou! Encabulada, ela ficou...
Mesmo assim, criou-se o laço,
Ele queria seu regaço...
Comparou-a a santa, deusa, ou coisa parecida...
Que queria profanar com seu sexo quente,
Provar do útero da mulher,
Que sonhava, quando de seus versos se encantava...
Ele, poeta de profanos versos...
Ela, poetisa do amor, dele, o reverso...
Pólos contrários que se encontraram
E se atraíram... Juntos, rentes...
Querem agora se saciar, nos devassos coitos
Mesmo que ela esteja no vermelho do sangue feminino,
Ele a procura, saboreia da fruta, qual vampiro atraído pelo sangue...
Profana então, a mulher que ele mesmo endeusou,
E em seus versos luxuriantes, blasfemou...
Luxúria, eis aí o teu casal:
O poeta da tristeza e da blasfêmia.
Junto à poetisa do amor e do prazer...
Macho e fêmea que se completam,
Mesmo sendo figuras opostas, no Universo
Seguem-se fazendo da paixão, seus versos...
Profano poeta que a comparou à santa...
Mas que a endeusou, pela sede do seu amor...
Devassos poetas, que fazem do coito,
A luxúria parecer pequena,
Diante do gozo, em beleza extrema...
Fátima Abreu
...........................................................................................
Genuflexos a imagem de Fátima ( Fábio Meezi )


Símbolos
imagens
sinais
apanhaste-me
sem defesa
como posso de macho puto virar presa
como uma simples puta rui defesas?
sinais dos tempos dos homens
templos sem defesaperante mulheres hárpianas
nos cantos do quarto
minha flui
teu rastro vago me polui
frêmita meu cérebro
habita minhas paredes
a santa nua
estupra minhas artérias
rogo-lhe mesmo a vil miséria
ajoelhado em teu ventre santo
toco-lhe os flancos
cercado de santos
cânticos profanos
a romper-me os tímpanos
teus olhos a percorrer o altar
o nome da santa
de fátima só tenho a imagem
tua imagem arrasta-me
rastro
cheirar teu lastro
deitado a lamber tua carne
tua sêda quente expele líquidos
deixe-me dormir
a imagem de fátima
véu que que esvoaço para ver o teu regaço
de fátima só tenho a imagem
f... em outras santas não me basta
imagem assim só me castra
quero prostar-me a ti oh, fátima
pegar tua mão
pedir tua benção
expulse meus demõnios
livre-me de satanás
cola-me ao teu peito
estou possuido por asmodeu,pazuzu,belzebu
sei lá
fizeram me apaixonar por ti
perdoa-me
mas é coisa do demônio
quando te desejo não é como mulher
é como santa
sujar teu manto de sangue e porra
mesmo quando estiver naqueles dias de borras
nem assim deixarei de chupar-lhe com sofreguidão
fica linda de mestruação
chupo-lhe com ferocidade
beóciano meio de tiambrósia, nectar e hóstia
santa de ancas quentes
só tenho a tua imagem
mas se só a tua imagem me incendeia
genuflexo
a pensar no teu sexo noite e dia
e na tempestade anunciada
no sagrado templo da ressurreição
onde entramos santos
e saímos pagãos
minha senhora
a vista da tua imagem
enquanto lhe f...
lhe imploro
perdão.
*
Fábio Meezi e Fátima Abreu.,

VIMOS A LUA, DA FORMA MAIS GOSTOSA _ DUETO


_De Fábio Meezi, para Fátima Abreu:
*
Me lembrei
de teu dorso docemente iluminado
pela a luz de uma lua fulgaz
encoberta por nuvens espessas
e eu a segurar-te pela crina
te estocando a vagina
forte e sujo
tiro minha p...

e abro tuas pernas para lua
o cheiro do teu sexo
espalha-se
volto a fustigar de novo tua b... humilhada
sedenta da minha p...

te grito
te xingo
te seguro pelas beiradas
agora grita minha amada...
grita minha puta
grita para lua
me peça para fustigar teu útero
de quatro se escancara
e a lua diáfana
se esconde lá nos montes
não precisamos de lua
não precisamos de luz
agora que esporro no teu dorso nú
que berro como a desfalecer
a natureza
se calou
e nossas almas
se perderam
..................................................................
De Fátima Abreu para Fábio Meezi:
*
Tua poesia devassa, me enlaça
me conquista
me faz obscena
assim é essa tua pequena...
Faz de mim tua princesa
Ou melhor, tua presa...
Canta ao meu ouvido
Geme, inflama...
De febre incontrolável meu corpo delira
Quando está dentro de mim
Embebido em meus líquidos, meus fluidos...
Vem, cola rente nessa pequena
Homem de meus sonhos...
Desejo, que se tornou realidade,
Quando se colocou dentro de mim
Da primeira vez que fizemos amor
Sexo, com gostoso sabor...
Sabor de poesia,
Minha e tua...
Façamos de nosso coito,
Muito mais que poemas devassos
As palavras sussurradas se tornam
Agora, mais que isso:
Delírios, rompantes de paixão intensa
Desse homem, e dessa mulher aqui:
Fêmea que deixa de ser a dominadora
Para te servir...
Nosso gozo, é fenomenal!
Juntamos os libidinosos versos de nossas poesias,
E fazemos orgasmo real...
Sim, vimos a lua
Dois apaixonados poetas
Eu e você...
E a lua ficou encantada,
Pelo nosso prazer!
A lua aumentou o brilho
Depois de testemunhar nosso delírio...
Grito, sim!
Peço que me diga as obscenas palavras
Que gosto de ouvir...
Faz com que meu gozo seja intenso
Galopa, segura as ancas
Bate nas nádegas expostas...
De você, aceito qualquer proposta...
Vem, meu macho delicioso
Morde, lambe, arranha...
Meu útero assim se inflama!
Querendo o mel jorrar
Junto com teu sêmen precioso
Líquidos inundando a vulva em brasa
Dessa tua pequena amada!
*
Fábio Meezi e Fátima Abreu.,

segunda-feira, 24 de maio de 2010

NO CHÃO DO QUARTO...

Estavam sobre a cama delirantes em paixão

Mas de súbito, ele a levou ao chão...

Queria fazer amor ali:

Sentindo a força de Gaia

Abrindo as pernas docemente,

Da sua mulher envolvente...



Seria a hora certa?

Afinal de dia, sempre aparecia alguém

A chamar ao portão

Ou fazendo qualquer ligação...



Havia sempre alguém para atrapalhar

O casal que queria se amar...

Mas tentariam de novo, sempre que havia tempo

Se deixavam levar pelo encantamento...



A sedução do olhar da mulher

Fazia seu macho estremecer...

Ele não resistia, aos seus meandros

Sua fêmea era muito sensual:

Deixava qualquer macho, em "quente" estado...

Abrindo as coxas, percebia que delas,

Um mel cheiroso, escorria...

Muitas vezes, desse mel, ele provava

Ela, adorava...



Ver o macho saboreando o mel,

Que descia do "vulcão", qual lava quente

Em erupção...

E o cheiro?

Que odor delicioso no ar!

Quando depois do amor,

Do gozo saboreado

O cheiro ficava no ambiente...

E ele, pegava a calcinha dela,

Passava na gruta molhada,

Do gozo experimentado

E cheirava... Ela também!

Faziam muito isso, cheiros e sabores,

Excitavam aquele casal...

Que alimentando suas intensas fantasias,

Descobriam coisas diferentes a fazer,

Todos os dias...



Mas as posições eram muito loucas!

Acrobáticas, até

Não fosse ela tão flexível

Com seu corpo esguio, e bem delineado

Seria difícil tais posições...

Dariam um jeito, com certeza:

A fêmea era muito criativa,

E se deliciava em inventar,

Cada vez mais motivos, para gozar...



O macho, homem alto, moreno, viril,

Fazia tudo que ela gostava...

Finalmente encontrara um homem a altura de sua paixão intensa!

Desejos e delírios reunidos ali

Entre o macho e a fêmea

NO CHÃO DO QUARTO...

Rolando de mãos entrelaçadas, de vez em quando dedos sugados, por ambos

Em desejo intenso, durante a cavalgada do momento...



Eles se deixaram ficar ali...

Entregues ao prazer:

Membro duro, teso

Vulva molhada, quente...

E, entre urros de gozo explícito,

Ouve-se dela também, um grito...



O prazer da fêmea é quase insano!

A luxúria para ela, não é pecado

Apenas uma questão de ótica...

Prazer aliado, a paixão intensa!

Nos braços da fêma delirante,

Segura e faz aprendiz, o seu amante...



Absorvidos na paixão,

Lambuzavam-se em brincadeiras,

E molhavam o chão...

Ela queria mais...

Uma cavalgada apenas

Era muito pouco, para aquela mulher!

Ele sabia...

Rapidamente, o mastro em riste, estava,

Para o prazer de sua amada...

*
Fátima Abreu.
http://fatuquinha.blogspot.com/

ELE, ELA E O TAPETE...


ELE FAZIA DELA, SUA SERVA

ELA O LAMBIA

ELA O BEIJAVA

ELA O MORDIA

ELA GOZAVA,

ELE TAMBÉM...

PEGOU SUAS PERNAS FEZ DE ASPIRADOR:

SEGUROU-A DE PONTA A CABEÇA

FEZ COM QUE ELA LAMBESSE NO CHÃO, O SÊMEN

DESPEJADO NO TAPETE DA MANSÃO...


ELE ERA DONO

ELA ERA SERVA

ELE ERA ADÃO,ELA ERA EVA...

HOMEM E MULHER,

SOL E LUA,

ELA ALI, TODA NUA...


E O CHÃO LAMBIA...

RETIRAVA TODO O ESPERMA,

DO TAPETE, QUE ANTES,

FOI A CAMA, DOS DOIS AMANTES...


NESSA POSIÇÃO DE PERNAS PARA O AR

ELE APROVEITOU

E A VULVA CHUPOU

LAMBIA DEVAGAR...

QUERIA PRAZER, LHE DAR...


ELA FICAVA TODA MELADA...

E PEDIU ENTÃO,

NÃO SE FEZ DE ROGADA:

_ VEM MINHA PAIXÃO, MEU MACHO GOSTOSO, VEM ME DAR UM MARAVILHOSO GOZO!

ELE FAZIA,

ELA SENTIA...

ELE LAMBIA, ELA GEMIA...


NESSE MOMENTO, DEITARAM-SE DE NOVO NO TAPETE:

BRANCO, FELPUDO, IMPONENTE!

TAPETE DE MANSÃO...

MAS QUE SERVIA DE CAMA,MAIS UMA VEZ...

QUANDO O DONO E A SERVA

SE UNIAM, NESSA LOUCA PAIXÃO


DEVORANDO UM AO OUTRO, NESSA RELAÇÃO...

ELE DOMAVA A LEOA

ELA REBOLAVA NO MASTRO TESO

JUNTOS, RENTES...

EM MOMENTO DE ENTREGA

MORDEM-SE,

BEIJAM-SE,

ARRANHAM-SE

POSSUEM-SE...

MEMBRO E VULVA

HOMEM E MULHER

LEÃO E LEOA

LOBO E LOBA

AMOR E PAIXÃO

E PARA SELAR TODA ESSA SENSAÇÃO:


VEM O GOZO SUPREMO,

DOS AMANTES...

NO TAPETE, MAIS UMA VEZ,

MARCADOPELO BEIJO, PELO DESEJO

PELO SORRISO DEIXADO

NOS LÁBIOS, SACIADOS, DELA...

E NO MASTRO, REGADO DE ESPERMA...


O TAPETE...

QUANTO MAIS SERÁ MELADO,

PELO GOZO DESSES DOIS ENAMORADOS?

QUANDO MACHO E FÊMEA SE UNEM,

NESSE COITO DESEJADO,

O PRAZER TOMA CONTA...

E O TAPETE É NOVAMENTE MARCADO...

*
Fátima Abreu.
http://fatuquinha.blogspot.com/

ENLOUQUECEMOS DE PRAZER


AH, QUE SENSAÇÃO DELICIOSA!

TER VOCÊ AQUI, BEM NA MINHA PORTA...

ENCOSTA NA PORTA, VAI...

PENETRA ADENTRO,

SENTE O CALOR DA GRUTA

E PROVA DESSA MINHA FRUTA...


OS CAMINHOS DO MEU CORPO VOCÊ JÁ CONHECE

AS COISAS QUE GOSTO, OS DEVANEIOS...

FANTASIAS, QUE VOCÊ TORNA VERDADE,

QUANDO MEU CORPO, TEU MEMBRO INVADE...


AGORA, ESPERA UM POUCO

SEI QUE ESTÁ ANSIOSO...

QUERO TE FAZER CARINHOS

E TE COBRIR COM MEUS BEIJINHOS...

QUERO PERCORRER COM A LÍNGUA,

CADA CENTÍMETRO TEU,

E OUVIR VOCÊ DIZER DEPOIS:

QUE DE AMOR, SE PERDEU...


SEI QUE VOU TE SATISFAZER COMO SEMPRE...

E OS URROS, VOU ESCUTAR,

QUANDO TEU GOZO, ENFIM CHEGAR...

CADA GEMIDO MEU

SERÁ ALIMENTO PARA TEU DESEJO

CADA MORDIDA MINHA,

NO TEU OMBRO, ROSTO, BOCA, BRAÇO,

SERÁ PARA TE DAR MAIOR PRAZER

NESSE MEU JEITO DE AMOR, FAZER...


E CADA VEZ, QUE EM MIM CAVALGAR

MINHA MAGIA TE PRENDERÁ...

MEU CORPO PRENDE O TEU

QUANDO TE ENLAÇO COM MINHAS PERNAS,

QUE TE EMPURRAM MAIS AINDA,

PARA DENTRO DE MIM...

E VOCÊ GALOPA ALUCINADO

QUAL MACHO DESVAIRADO...

NO CIO ANIMAL

QUE FAZEMOS,

NO COITO, ENLOUQUECEMOS...


SOMOS FERAS, QUE SE QUEREM

MACHO E FÊMEA

QUE SÓ SE DESGRUDAM

QUANDO NO ÁPICE DO PRAZER

JORRA TEU SÊMEN, BEM FUNDO...

ENTÃO, VAI AGORA!

ELA ESTÁ ÚMIDA, TE IMPLORA!

QUER SER DELICIADA

PELA TUA GOSTOSA ESPADA...


TE ENLOUQUEÇO DE PRAZER,

ME ENLOUQUECE TAMBÉM...

SOMOS INSANOS, DESVAIRADOS

LOUCOS APAIXONADOS!
*
Fátima Abreu.

AH, AMOR MEU...


Ah, amor meu
como foi selvagem
o amor seu...
marcas das mordidas
arranhões, quase feridas...
ah, amor meu
descontrolou-se eu sei
diz que não tem fêmea como eu
de desejo, se deu...
ah, amor meu
queria que fosse eterno
nosso enlace
e nós dois juntos na cama,
de pernas entrelaçadas
em vai e vém alucinado
deixar o gozo chegar...
e te chamando entre meus gemidos:
louco, desvairado!
ah, amor meu
quando estamos assim,
carne a carne unidos,
parece que o mundo lá fora
fica pequenino
diante do prazer total
que temos,
no sexo, que fazemos...
ah, amor meu
que meu corpo tanto clama
arde...
quando olho teu corpo nu
estirado na cama
ah, amor meu
fico excitada de olhar
tua nudez assim!
prontinho, já pra mim...
ah, amor meu
quando teu membro teso,
de mim se aproxima.
voluptosamente
explora a minha vagina...
ah, amor meu
fica louco, perde a razão
sabendo do meu enorme tesão...
me quer como uma prostituta
uma vadia qualquer
fantasiamos assim
e me sinto mais mulher...
ah, amor meu
que um dia me conheceu
e desse dia em diante
viramos amantes...
ah, amor meu
e nossas línguas se procuraram
em beijos desvairados...
as pessoas que passavam
nos fitavam, então:
deveriam imaginar
como era forte, nosso tesão...
ah, amor meu
e por pouco não fizemos amor ali:
na frente de todos que passavam,
seríamos presos e levados...
ah, amor meu
não conseguimos mais nos largar
e o sangue quente
ardia, queimava
e eu gemia...
ah, amor meu
naquele momento
fizemos amor
até por pensamento!
ah, amor meu
eles nem imaginavam
que em nossos beijos, gemidos
mordidas e amassos
já gozávamos, ali mesmo na rua
e minha calcinha minúscula
estava molhada...
e você a arrancou e cheirou
quando em casa, enfim chegou...
*
Fátima Abreu.

Declarações de amor

amor paixão CASAL DE POETAS

*
Não preciso de complexidade para te viver
Não preciso de farta mesa para te saborear
Não preciso de gestos brutos para te pegar
Não preciso andar de ouros para te seguir
Só preciso sentir
Como o colher das flores
A chuva a seguire como a tua existência
Faz mais fácil o meu existir.


*
FÁBIO MEEZI

.........................................
Ah, amor meu
tuas palavras me tocaram
como me toca na cama
fazendo de mim, tua inteira fêmea
que te ama e te declara amor sempre
em cada gesto meu
tenha certeza que é amor além do prazer
o que sinto por você!


*
FÁTIMA ABREU


*
NOTA: MEU MARIDO, TBM É POETA, FÁBIO MEEZI


quarta-feira, 19 de maio de 2010

Começo de um belo dia!



Começa teu dia com a visão dos pássaros, com o silêncio das flores do teu jardim. Começa teu dia com o frescor da água doce do rio, que passa por suas margens segura de seus movimentos. Começa teu dia com a força dos ventos, trançando seus cabelos longos e negros.

Utilize seu sorriso ao máximo durante todo o seu dia até que este se finde.

Encerra teu dia com um belo sorriso para alguém mais perto de você, um abraço com beijo de uma boa noite. Encerre seu dia com a certeza de que este fora proveitoso a ti mesmo no acalento suave dos lençóis macios e cheirosos deixando descansar teu corpo e espírito na imensidão da madrugada...
*
Lenice A. Moreira



terça-feira, 18 de maio de 2010

Malandragem Carioca



Sou daqui...do Rio de Janeiro
Vivendo em ruelas...vilas, sobrevivo a cada dia
Madureira é minha terra...São Jorge é meu guia
Perambulando pela Lapa...noite e dia
Tenho respeito por todos
Paulistas...Gaúchos e por outros que talvez você não lembraria
Posso ir ao seu encontro
Mas pode ter certeza que nunca te prometeria
Sair do meu lugar...nem em sonho teria
Por que aqui é meu chão...e por mais que você não acreditaria
Pode ter certeza que pra um malandro como eu...nada mudaria

*
Julio Cezar Queiróz

MORGANA E SEU AMOR

MORGANA E SEU AMOR

Morgana ficou de pé no sofá
Esperando seu amor lhe tocar
Ele a queria assim: de pé se tocando
E pelo gozo dele, também esperando...

Morgana amava aquele homem
Seu cavaleiro Cruzado
Que a levou de seu lugarejo, todo em chamas
E despertou o amor
No coração, da jovem Morgana...
Ela agradecia ao seu cavaleiro
Tê-la retirado dali...
E fazia de tudo para ele...
Entrega total de seu amor
Troca intensa de calor...

Ele, dominador, mas ao mesmo tempo
Sentia por ela, grande amor...
Queria ver Morgana feliz...
Cobria de mimos
A sua aprendiz...

Ensinou a arte do amor, de forma bem diferente
Fazia Morgana se portar como mulher indecente...
E Morgana, no fundo gostava...
Ela sempre se sentiu assim:
Diferente das outras mulheres
Sabia que existia um porquê...
Bastaria apenas saber...
Seu amor, lhe ensinou apenas a liberar
O lado mais selvagem de seus instintos
Aquele lado, que estava guardado
No íntimo...Querendo ser provado...
Morgana sempre seduziu,
Aos homens que conhecia
Era disso que mais gostava:
Se sentir desejada...

Morgana tinha um olhar sensual
E os seios chamativos...
E para fisgar um homem, apenas usava isso!
Eles a queriam, mas ela apenas se deliciava
Com a vontade dos homens, e ria-se, a danada!

Morgana, queria mesmo, era o seu dominador...
O homem que a ensinou, mais e mais, a arte do "fazer amor"...
Certa vez, a fez colocar a calcinha melada,
Dentro da própria boca, depois de sentir
O cheiro, que dela exalava...

Morgana assim fazia...
Atendia os desejos mais febris,
Daquele homem que a dominava,
Mas se sentia feliz...

FÁTIMA ABREU

Morgana e suas fantasias

Morgana sentia falta do seu amado
Andava por outras paragens
Ela o tinha perdido de vista
Mas dentro do corpo, alma e coração
A vontade de estar com ele, a fazia se tocar
Como se aliviasse a tensão, do tesão ...

Amanhecia o dia, e ela se lambuzava toda
EM SEU MEL ESCORRIDO, PELA VULVA MOLHADA...
O primeiro pensamento do dia, era gozar pelo seu amor...
Se masturbava feliz, pensando no seu dono
De quem era aprendiz...
Sabia que logo logo, estaria de novo com ele...
Essa distância iria acabar...
E nesses momentos de espera,
Ela o punha na cabeça,
E massageava seu clitóris
PENSANDO NAS MARAVILHAS
DE GOZAR COM SEU DONO E SENHOR,
FAZENDO UM GOSTOSO, AMOR...

Imaginava várias situações
Das mais desvairadas, que sua mente devassa
Poderia inventar...
Jogos de prazer e amor,
Com delírios, em forma de fantasias
Que poderia obter com sucesso
Na cama, com seu amo e senhor...

Até as orgias, que ele tanto queria
Ela se tocava pensando então...
Momentos de êxtase, cobertos de tesão...
Corpos suados se amando
Eles ali, também...
A serva e o dono,
Numa completa cena, de orgia
Como nos tempos romanos
ESCUTANDO OS GEMIDOS, DOS OUTROS GOZANDO...

E em completa satisfação, seu dono liderava a situação...
E oferecia o corpo de Morgana, a quem quisesse dela provar...
Morgana gostava de ser alvo de desejo
De muitos ali...
E nessa fantasia de devassidão,Morgana chegava ao gozo, então...
Toda melada de prazer
Pela imagem fantasiada na mente
Rolava no lençol
Esfregando a vulva, ainda quente...

FÁTIMA ABREU

A CONDESSA DO CASTELO DAS COXAS

A CONDESSA ESTAVA ALI NO CASTELO DAS COXAS...
UM CASTELO FEITO PARA ELA
PRESENTEADO PELO SEU AMOR...
EM HOMENAGEM ÀS SUAS COXAS
ONDE NO MEIO, ESTAVA SEU MAIOR VALOR...

ELE ERGUEU, FORMANDO DUAS TORRES
QUASE UNIDAS...
SEPARADAS APENAS UM POUCO...
COMO SE NO MEIO, FOSSE O CLITÓRIS
DA SUA CONDESSA...
ELA O FAZIA, TER UM DESEJO LOUCO...

SE ERGUIA TAMBÉM, UMA FLÂMULA
COM O BRASÃO DE FAMÍLIA
MAS NADA DISSO ERA IMPORTANTE
PARA A CONDESSA-AMANTE...

O QUE ELA MAIS GOSTAVA,
ERA DE SER, MUITO AMADA...
A CONDESSA ERA QUERIDA E DESEJADA...
HOMENS E MULHERES, A ADMIRAVAM!
COM SEUS SEIOS À MOSTRA,
FAZIA DOS HOMENS, FIÉIS ESCUDEIROS...
E ÀS OUTRAS MULHERES, SUAS SERVAS LEAIS
PARA A HORA QUE BEM QUISESSE, ALGO MAIS...

O AMOR DA CONDESSA, ERA BEM ESPECIAL:
FAZIA SEU HOMEM DELIRAR, EM DESEJO POR ELA
E AO MESMO TEMPO, ERA SERVIL,
SOMENTE À ELE
AOS OUTROS, ERA A GOVERNANTE
DAQUELES DE QUEM, SE TORNAVA AMANTE...

SEU HOMEM, ERA DONO E SENHOR
DE TODA SUA MENTE E CORPO
MAS, QUANDO ESTAVAM SE AMANDO
E NA CAMA, SE DELICIANDO,
ERAM LOBO E LOBA
PAIXÃO ALUCINANTE E SELVAGEM
COM MOMENTOS DE TERNURA
E ATÉ DE MIMOS...
SEMPRE DE AMOR, SE ABRINDO...

E O CORPO DA CONDESSA SE TORNAVA,
O TEMPLO DAQUELE SÊMEN, QUE JORRAVA...
EM SUA FACE, EM SEUS SEIOS VOLUMOSOS,
NA VULVA QUENTE E ÚMIDA,
EM SEU ÂNUS EXPLORADO,PELO PÊNIS DE SEU AMADO...

*
Fátima Abreu

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Adormecer ( Haikai )


Te vejo adormecer

Como é bom saber que no dia seguinte

Ao meu lado o sol irá nascer

*
Julio Cezar Queiróz

sábado, 15 de maio de 2010

A CORTESÃ ENDEUSADA


Para um castelo medieval

A cortesã foi convidada...

Fariam linda homenagem

À mulher cobiçada...


Muitos a queriam, é verdade...

Levada ao centro do castelo,

Ela foi informada:

Será uma celebração apaixonante

Muitos te possuirão

De maneira gratificante...


Ela então, percorreu com seus olhos

Que dizem ser tremendamente sedutores

Os arredores do recinto...

Ali, no centro, do pavimento

Um círculo, se fazia, nesse momento...

E para cada três homens que a possuía,

Duas mulheres vinham massageá-la

Beijar seu corpo, percorrer seus mamilos

Em desejo louco, insano

Ela ficava...

E assim, preparada, outros vinham

Chegavam ali, para do corpo dela, sentir...


Gozos e mais gozos na vagina úmida

As moças vinham e lambiam suavemente suas coxas

Limpando o esperma deixado, pelos machos, depositados...

Também beijavam seus pés, como servas fiéis...


E o mestre de cerimônias que a convidou,

Foi o primeiro macho, que dela provou...

Uma música suave ao fundo

Mas que música, se percebia?

Nada além daquele quadro divinal

Da cortesã, pelos convivas devorada

Em ato bem original...


E uma platéia de seus "súditos"

Se formou em sua volta...

Mulheres a lambiam por toda parte

Enquanto homens se saciavam em seus orifícios...

E assim, no meio do chão

Coberta de esperma, por todo lado

Veio,o mestre, pegou sua mão

E a levantou então...


Como reverência a sua DIVINDADE(palavras por ele, pronunciadas)

Ele a segurou em seus braços

Carregou no colo

Deu-lhe uma flor

E a levou

Para o andar de cima, do castelo

Onde, entre quatro paredes

Se faria o mais belo:

Fariam amor novamente

Dessa vez, bem diferente...


Queria um prazer só seu:

De provar da fruta, que ele mesmo endeusou

Fazendo a celebração em homenagem, a cortesã

De outras paragens...


Beijou-a com completa entrega

De saber que aquele corpo

É mais do que sexo:

Um Universo de paixões

Transcendem ali...

Chegando a metafísica do amor

Pelo seu fogo avassalador...


FÁTIMA ABREU